O pós-headbanger
Postado em 26 de maio de 2020 @ 01:16 | 783 views


E o mundo parou. Perante uma ameaça invisível.
As implicações do isolamento social, ao contrário, são bastante visíveis. Porém necessárias.
O trabalho em home-office, a atividade física no quintal ou na sala de estar… A pior parte talvez seja a privação da socialização, da manifestação de afeto pelo toque, pelo olhar. O desejo do outro tornou-se medo.

No mundo das artes, especialmente da música, as implicações são mesmo impactantes. Seja por sua natureza pública, seja por depender, em grande parte, de uma sociabilidade presencial: os shows!

Para as bandas economicamente grandes, aqui me refiro aquelas bem famosas que fazem shows e turnês o ano todo,  as consequências da pandemia por coronavírus estão sendo mesmo problemáticas. O setor, que já sofreu duros golpes e transformações por conta da digitalização da música, agora também tem sob ameaça sua principal fonte de receitas, que são os shows ao vivo.

Por outro lado, para as bandas do underground, que com muito trabalho conseguem tocar alguns poucos shows por ano, e que precisam fazer esforços descomunais para mobilizar público para esses mesmos shows – esforços esses, na maioria das vezes, frustrados – às mudanças as quais já estamos sendo submetidos podem significar muito mais oportunidades do que desafios.

A desconstrução compulsória da normalidade pode potencializar novas formas de pensar e agir. A criatividade, nesse momento, pode fazer germinar ideias que serão consideradas novas normalidades no pós-pandemia.

As “lives” e os eventos online, como o festival “Roadie Crew – Online Festival”, tem demonstrado certa competência para isso. São mais horizontais e democráticos no acesso ao público e às bandas, possibilitando que novos e mais grupos cheguem até o grande público. A última edição do “Roadie Crew – Online Festival”, por exemplo, foi assistido por mais de 10 mil pessoas só na estreia pelo live-streaming! Se pensado no formato tradicional, um evento com essas características não mobilizaria o mesmo público nem na mais utópica expectativa.

Às margens das características desse tipo de evento online, estão também os hábitos culturais contemporâneos do público, mais especificamente dos headbangers. Dados recentes apontam que cerca de 78% do público que participou desse tipo de evento está na faixa etária compreendida entre 25 e 45 anos de idade. Não obstante, 65% também são do sexo masculino.

Não é difícil traçar um perfil do headbanger contemporâneo. Tampouco entender que no pós-pandemia, o headbanger voltará a frequentar os shows de suas bandas preferidas quando essas vierem ao Brasil. O fetiche heavy metal dos caros e grandes shows em estádios e casas de espetáculos, das pistas vips e do merchandise, terão força econômica e cultural para retornarem, mesmo que isso leve anos. Já o underground está compelido a uma reinvenção. E quem sabe a uma solução: a aceitação de que o pós-headbanger, mesmo antes da pandemia, já preferia curtir metal underground #emcasa.

 

Deixe seu comentário / Leave your comment




 
VALHALLA por Eliton Tomasi - All Rights Reserved 2017
Website by Joao Duarte - J.Duarte Design - www.jduartedesign.com